+55 84 3207 1069
Siga-nos
  • Português

Blog de Automação Industrial da Logique

  • Início
  • Blog
  • Descubra o que é a internet industrial das coisas e porque isso é o futuro das indústrias de sucesso

Descubra o que é a internet industrial das coisas e porque isso é o futuro das indústrias de sucesso

Saiba como esse conceito que visa conectar toda a indústria vai revolucionar todo o padrão atual de funcionamento das coisas

Você já havia imaginado algum dia que existiria um dispositivo que se conectaria na sua casa para fazer sua lista de compras, tocar uma música e diversas outras funcionalidades? Isso é possível graças ao conceito mãe da internet industrial das coisas.

Esse dispositivo se chama Amazon Echo e atende pelo nome de Alexa. É a aposta da Amazon para conectar tudo na sua casa através da internet das coisas (IoT – Internet of Things).

The Industrial Internet of Things (IIoT), ou ainda internet industrial das coisas, é a aplicação da internet das coisas na indústria. Esse conceito também está completamente relacionado à indústria 4.0.

Logo, se a IoT é um conceito tecnológico que representa a conexão dos diversos objetos da nossa vida cotidiana com a rede mundial de computadores, IIoT tem o mesmo objetivo só que para indústrias.

A aplicação é por meio de uma rede de computadores inteligentes, dispositivos e objetos que coletam, através de sensores, e compartilham grandes quantidades de dados.

A revolução permitirá a aquisição e acessibilidade de enormes quantidades de dados, em grande velocidade e muito mais eficiente que antes.

Ainda não se convenceu da importância da internet industrial das coisas? Vamos apresentar alguns dados que que mostram por que isso é uma grande tendência com implicação significativa na economia global.

As estimativas independentes mais conservadoras colocam os gastos com IIoT em todo o mundo em US $ 20 bilhões em 2012, com gastos esperados para atingir US $ 500 bilhões até 2020.

Em contrapartida, as previsões mais otimistas apresentam que o valor gerado pelo investimento em IIoT chegará a US $ 15 trilhões do PIB global até 2030.

Esses e outros dados podem ser encontrados em um estudo realizado pela Accenture através deste link.

Um exemplo é o grupo Michelin (fabricante de pneus) que utiliza sensores dentro dos pneus combinado com análises. Os dados gerados permitem ensinar os motoristas de frotas de caminhão como economizar gasolina.

A Taleris (uma joint venture da General Electric-Accenture) implementa análises para ajudar as companhias aéreas a minimizar as interrupções de falhas mecânicas e atrasos climáticos.

Ainda nesse artigo, vamos falar sobre os desafios, o futuro e os benefícios da internet industrial das coisas.

 

Os desafios da internet industrial das coisas

Apesar de que já existem algumas empresas trabalhando e investindo nessa área, IIoT ainda é um conceito complexo. Os principais desafios são interoperabilidade, segurança e grande volume de troca de dados.

A interoperabilidade é a capacidade de diversos sistemas e organizações trabalharem em conjunto. Essa característica entre dispositivos de diferentes marcas ainda é um desafio, embora já existam iniciativas de empresas globais para unificar esses sistemas.

Por exemplo, a Dell, Intel e Samsung fazem parte do grupo Open Interconnect Consortium (OIC) para criar um protocolo comum e garantir o bom funcionamento da conexão entre diferentes dispositivos.

A segurança é um desafio porque as empresas precisam saber que seus dados estão seguros. Ainda existe um conservadorismo em relação a segurança hoje.

Além disso, é questionado se todo esse volume de troca de dados gerado será suportado. As empresas prestadoras de serviço precisam garantir a infraestrutura necessária para uma explosão exponencial de dados nos próximos anos.

 

O futuro da IIoT

Sabendo os principais desafios, vamos entender o que se espera do mundo e das grandes empresas nos próximos anos.

Para ter sucesso em indústrias digitalmente contestáveis com a internet industrial das coisas, os executivos vão precisar formular novos modelos de negócios, repensar as operações e o core business, introduzir inteligência nos produtos, serviços, processos e mais.

Os executivos também vão precisar abrir suas operações de fabricação, instalação de produtos e no projeto de produtos para novas tecnologias de informação.

Se não identificar e explorar essas oportunidades, novos entrantes e startups vão começar a influenciar e capturar seus clientes.

De acordo com a pesquisa realizada pela Accenture, no futuro, empresas de sucesso vão utilizar a internet industrial das coisas para capturar crescimento através de três abordagens:

1- Maximizar a receita aumentando a produção e criando modelos de negócio híbridos.

2- Alimentar a inovação com tecnologias inteligentes.

3- Transformar a força de trabalho para a internet industrial das coisas.

Vamos discutir agora sobre cada um dos pontos.

 

Maximizar a receita aumentando a produção e criando modelos de negócio híbridos

A IIoT oferece oportunidades para as empresas se atualizar e oferecer novos serviços, melhorar produtos e até entrar em novos mercados.

Para o futuro, se aposta em modelos de negócios híbridos para maximizar a receita. Isso implica em adicionar serviços digitais para os produtos pré-digitais. Lembram da Michelin? Vamos retomá-la como exemplo.

A Michelin está ajudando os gerentes de frota de caminhão a reduzir o consumo e custos com combustível e permitindo que eles paguem pelos pneus baseado em quilômetros rodados. Observe a figura abaixo:

internet industrial das coisas

 

Na imagem, serviços de informação são os que vendem ou gerenciam dados e insights. Serviços de equipamento é a venda de manutenção de produto ou otimização de serviços ou venda de produto no modelo de pagamento as-a-service.

Ao incluir sensores no seu pneu, a Michelin pôde analisar todos os dados relacionados à ele, como: temperatura, pressão, km’s rodados, entre outros.

Com todos esses dados, ela pode oferecer o serviço de informação para redução do consumo de gasolina, vendendo ou gerenciando os dados e os insights relacionados.

Além disso, o cliente com o conhecimento das condições do pneu, saberá a hora de realizar manutenção. Dessa forma, a Michelin também entra na jogada oferecendo essa manutenção e otimização de serviços/produtos para melhorar a performance.

Neste ponto, perceba que a Michelin conseguiu criar através de um modelo de negócio híbrido duas novas fontes de receita. Além disso, ela se tornou a fornecedora de informação de maior valor para o cliente, aumentando a quantidade de interações com ele.

A lição que podemos tirar desse exemplo é:

Venda produtos e seus clientes irão interagir com você apenas quando precisarem corrigir ou prevenir problemas. Vendas serviços e você ganha múltiplas oportunidades de contato, cria uma relação de confiança e estabelece uma fidelidade com o cliente.

 

Alimente a inovação com tecnologias inteligentes

A segunda abordagem apresenta que para colher o máximo dos benefícios da internet industrial das coisas, as empresas vão precisar se destacar em três capacidades tecnológicas: computação orientada por sensor, industrial analytics e aplicação de máquinas inteligentes.

Ao colocar em prática essas capacidades, as indústrias terão acesso a dados previamente inacessíveis. Essa grande máquina de geração de dados será a oportunidade para criar novas fontes de receita.

Portanto, vamos explorar cada uma dessas capacidades.

 

1- Computação orientada por sensor

Conforme vimos no exemplo da Michelin, sensores dão à objetos o poder de percepção. Isso possibilita mensurar condições de temperatura, pressão, velocidade, e diversos outros parâmetros.

Todas essas informações são valiosas para quem busca inovar em serviços, pois geralmente são dados que os clientes não possuem acesso.

 

2- Industrial Analytics (Análise Industrial)

Os dados gerados através dos sensores, permite que a análise industrial transforme esses dados em insights valiosos. Esses insights servem para tomada de decisão e planos de ações.

Por exemplo, é comum grandes indústrias possuírem milhares de alarmes que sinalizam constantemente por anormalidades de processos.

Em virtude do grande número de alarmes, torna inviável que o operador consiga dar conta de todos, gerando perdas financeiras.

Por isso, existe a prática de gerenciamento de alarmes. Um software de gerenciamento de alarmes conecta-se ao sistema de controle e consegue extrair todas as informações dos milhares de dados gerados diariamente.

Esses dados brutos são transformados em insights valiosos sobre as condições da planta industrial. O gerenciamento desses alarmes facilita o trabalho do operador que consegue controlar a planta com maior precisão, aumentando a produtividade e diminuindo as perdas.

 

3- Aplicando máquinas inteligentes

Com o crescimento da internet industrial das coisas, fabricantes não vão mais construir máquinas que possuem apenas funções mecânicas. Também será incluso inteligência nelas.

As diversas aplicações que podem ser criadas com essas máquinas inteligente serão a força motriz para a geração de novas correntes de receita. Isso reforça o conceito de modelo de negócio híbrido.

Além disso, com o avanço da tecnologia está sendo possível integrar dispositivos físicos e seu software de acompanhamento com serviços de terceiros (Exemplo anterior dos alarmes industriais).

internet industrial das coisas

Transformar a força de trabalho para a internet industrial das coisas

Além da análise de dados, a inovação deve ser alimentada para transformar a força de trabalho operacional. A IIoT irá abrir novas necessidades de força de trabalho, assim como tornará outras redundantes.

O que isso quer dizer? Isso explica que trabalhos repetitivos e fluxos de produção que resistiram a automação devem ser substituídos por atividades computadorizadas.

Dessa forma, para aproveitar das melhores oportunidades que a IIoT oferece, as indústrias precisam investir em ciência da informação, desenvolvimento de software, engenharia de hardware, testes, operações, marketing e vendas.

 

Benefícios da internet industrial das coisas

Depois de entender como a IIoT vai impactar o mundo e as empresas, em resumo, qual seriam os maiores benefícios que tudo isso pode trazer?

 

1- Eficiência operacional e maximização dos lucros

A eficiência operacional é o mais falado atualmente, e os primeiros adeptos estão focados nesses benefícios.

Ao introduzir automação, conectividade e técnicas de produção mais flexíveis, por exemplo, os fabricantes podem aumentar sua produtividade em até 30%. Esse dado também foi disponibilizado pelo estudo realizado pela Accenture.

Além disso, a escalabilidade, economia de tempo e de custos, auxilia na maximização dos lucros de organizações industriais.

Já existem empresas se beneficiando da economia de custos através de manutenção preventiva (Exemplo da Michelin), segurança e outras eficiências operacionais.

 

2- Novos serviços e modelos de negócios

A inovação por meio da internet industrial das coisas, permite que sejam criados novas fontes de receitas pela criação de novos serviços conectados. Os modelos de negócio híbridos, permitem que sejam aproveitados tantos os produtos quanto serviços digitais.

A utilização de serviços digitais ainda melhora o relacionamento com o cliente. Pois, a entrega do produto possibilita diferentes pontos de contatos que geram informações valiosas para o cliente. É criada uma relação de confiança e lealdade.

 

3- Maior conhecimento para tomadas de decisões

A análise dos dados industriais permite que os executivos tenham maior quantidade de informação. Isso facilita para tomarem melhores decisões em virtude de ter uma visão mais precisa do desempenho da indústria.

Para completar, a rede da IIoT de dispositivos inteligentes permite que as organizações industriais conectem todas as suas pessoas, dados e processos do chão de fábrica até os executivos. Auxiliando ainda mais na produtividade dos líderes e nas tomadas de decisão.

 

Conclusão

Deu para compreender o potencial que a internet industrial das coisas tem para revolucionar o mundo e as indústrias?

Esperamos com esse texto que você veja agora sua empresa com outros olhos, procurando potenciais alvos de inovação para aumentar seu desempenho.

Por fim, a internet industrial das coisas tem o desafio de juntar duas tecnologias diferentes:

1- A iniciativa da Tecnologia da Informação (TI) para planejamento de recursos, gerenciamento de relacionamento com clientes e sistemas de suporte a decisões.

2- Tecnologia de operações (TO) que monitora e controla equipamentos de campo, fabricação e processos de produção.

Realidade Atual Visão Futura
Software, sensores e controles que executam as instalações e equipamentos atuais estão desatualizados e são difíceis de atualizar. As empresas não podem facilmente incorporar novos recursos e melhorias. Os sensores, as comunicações e outras tecnologias operacionais estão trabalhando em conjunto com as tecnologias da informação.
Integração limitada entre sistemas internos (gerenciais, aplicações, fontes de dados industriais) e parceiros externos. Padronizadas, as rápidas técnicas de desenvolvimento de software são usadas para criar produtos industriais inteligentes.
Os sistemas operacionais em envelhecimento e as tecnologias operacionais vulneráveis representam riscos de segurança porque não podem ser facilmente retirados ou substituídos. Um modelo comum de dados e arquitetura de detecção e controle que apóia o fluxo de insights e ações em toda a organização e seu ecossistema de parceiros.
Computação incorporada limitada ou controle de inteligência no nível do dispositivo, produto ou planta. A infra-estrutura IIoT é confiável, flexível e resiliente a compromissos inevitáveis.

 

Caso tenha ficado alguma dúvida sobre o artigo, ou quer conhecer como o gerenciamento de alarmes pode revolucionar sua indústria com a IIoT, pode entrar em contato comigo através do matheus.romano@logiquesistemas.com.br, ficarei muito feliz em ajudar!

Se você acredita que esse conteúdo seria de muito valor para um amigo, compartilhe essa informação com ele!


Tags: Análise Industrial Automação Industrial Big Data BR-AlarmExpert IIoT IIoT gerenciamento de alarmes Indústria Indústria 4.0 Industrial internet of things Internet das coisas IoT

Postado por Matheus Romano

Um pouco sobre o autor (a): Graduando em Engenharia Química na UFRN e ex-diretor Comercial e de Marketing na NuTEQ, sou apaixonado por desafios, viagens, músicas e esportes. Atualmente sou responsável pelo processo de Inbound Marketing na Logique Sistemas.


Postagens relacionadas


Receba o nosso feed

Fique por dentro das novidades

Prometemos não enviar spam.
© 2016. «Logique Sistemas». Todos os direitos reservados